Pesquisar este blog

Carregando...

Translate

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Nanotecnologia para o descanso dos pés: Calçados

Por: André Luiz Aguiar* 
Que a Nanotecnologia está em praticamente (ou tem a tendência de estar) em tudo que se possa imaginar,  desde o parque fabril até o mercado de consumo, não é novidade.


E não serei repetitivo afirmando que ela pode ser usada desde isso até aquilo.
Em síntese, a Era Nano já está aí. Saiba você disso ou não. Goste você disso ou não. Essa nova revolução industrial por meio da Nanotecnologia veio para e começa a se instalar.

O que gostaria de abordar é o seu uso naquilo que algumas pessoas desconsideram: os pés. Mas não se trata de falar sobre eles em si, mas sim em relação ao que o humano criou para protegê-los: os calçados.

Já postei algumas matérias que se referem ao uso da Nanotecnologia para beneficiamento dos calçados (veja abaixo).

Como é veiculado, basicamente grande parte dos modelos e marcas que dizem usar Nanotecnologia oferecem o benefício de se evitar o odor -- o famigerado
chulé; sim aquele que afugentava sua mãe quando você, ao chegar em casa e ao tirar os sapatos, infestava a casa e logo ela lhe mandava lavar os pés com água e sabão e, nos piores casos, com vinagre e limão!

O odor nos pés todos nós sabemos os motivos de seu surgimento -- um dia inteiro com um calçado fechado já te mostrou o que acontece --, e é por isso que a oferta Nanotecnológica se refere a esse problema. Pois com nanopartículas de prata acaba-se conseguindo evitar o mal cheiro.


Aqui no Brasil, a Calçados Bibi tem veiculado usar a Nanotecnologia (tecnologia Dry Walk) a fim de evitar o odor nos pés. É o que diz a propaganda dos calçados dispostos à venda para o outono-inverno 2012 (cf. fotos).


Outra benesse que se afirma é que, com a Nanotecnologia, o calçado fica mais macio, mais confortável, devido à maneira que o tecido ou mesmo a borracha são laborados. 


Encontramos também no mercado calçados que não ficam apenas no que se quer com eles: proteção aos pés. 
Esses calçados que visam além da proteção e conforto, oferecem, com a Nanotecnologia, carregar a bateria de seu celular. É o caso da InStep NanoPower que eu publiquei recentemente cujo andar (energia mecânica) faz com que ocorra a geração de uma corrente elétrica que abastecerá seus penduricalhos eletrônicos.

Sem contar que há muito deixamos de lado a tal "proteção para os pés" como único motivo para se adquirir um calçado. Eles são hodiernamente como que um "status" que define qual o nível social da pessoa, quais as suas tendências e propensões, qual a sua moda, enfim. O que se coloca nos pés é uma marca e não mais a proteção contra pedras, vidros, ciscos e demais percalços do caminho.


Se bem que eu discordo disso, pois um pessoa pode ser de mais notável admiração ou deferência sem ao menos calçar ou ter calçado um par de sapatos na vida.



Ademais, também podemos vislumbrar calçados com Nanotecnologia que ofereçam uma borracha mais resiste para não desgastar o solado; o que extirpará com o trabalho dos sapateiros, tão afáveis!
 
E no caso da borracha, é por isso que ainda não vemos uma propaganda com chinelos -- os quais usam basicamente esse material -- veicularem algo com nanopartículas. Haja vista que o benefício básico da nanoprata é atacar o mal cheiro e possíveis bactérias. E se você está de chinelos, é bem provável que esteja de frente para o mar e de pernas para o ar e, portanto, não estará com os pés propensos aos odores como os demais mortais. 


Tênis InStep Nanopower

Ainda nas possibilidades da Nanotecnologia em calçados,  poderia ser criado com ela sapatos que, dependendo do estado de espírito da pessoa, mudasse de cor -- como já fizeram com a roupa --, ou mesmo um tênis que recebesse sensores ligados a um relógio que servisse como podômetro e auxiliasse nas caminhadas. Ou então uma bota que tivesse GPS e que fosse lhe dando as coordenadas. Ou mesmo nanoleds que brilhassem na hora que você estivesse numa festa... Enfim, a lista de imaginação pode não ter fim. E em tudo pode-se dizer que está utilizando a Nanotecnologia. É só pensar na coisa mais abstrata e desnecessária que você vai conseguir achar algo que sirva para os pés além da proteção básica.

Tudo bem, afirma-se que a Nanotecnologia pode tudo quanto aos calçados e demais produtos. E as invenções não param.
Porém, eu não posso deixar de questionar o uso de nanopartículas de prata ou outros elementos sem a devida regulamentação e precaução.

Não que eu não queira chegar em casa e, ao tirar o sapato, não mate o meu cachorro tamanho o olor que vem dos meus pés. É claro que eu quero um cheiro agradável, mas para isso eu posso usar um talco -- se bem que talco e Nanotecnologias já estão associados com sprays, certos pós....etc, mas isso é assunto para outro momento.

Quantas pessoas nas fábricas de calçados trabalham com nanopartículas e que não possuem o seu devido EPI (equipamento de proteção individual) e/ou EPC (equipamento de proteção coletiva)? Ao menos sabem eles o que é uma nanopartícula? Aspiram estas nanopratas todos os dias nas fábricas? Há algum agente fiscalizatório, algum órgão público ou mesmo os sindicatos estão aptos a lidar com isso?

São muitas as informações, notícias e pesquisas que veiculo aqui no blog que demonstram o perigo e risco das nanopartículas. Não por acaso o FDA estadunidense está preocupado com elas em medicamentos, cosméticos e alimentos. Assim como órgãos públicos e privados da União europeia.

O que quero chamar a atenção aqui no Brasil é a necessidade de discussão quanto ao uso da Nanotecnologia e seus produtos no mercado consumidor sem a devida precaução. Pois como sabemos: não temos a informação devida sobre as consequências de seu uso, não temos reguladores de proteção aos trabalhadores, não temos órgãos de fiscalização competentes para avaliação. Em suma, são muitas as dúvidas em detrimento apenas de um benefício furtivo.

Repito; é claro que quero meus pés cheirosos. Mas eu pergunto: a que custo?

Por isso, atenção para o modo como você caminha, do contrário será você a Cinderela sem o sapato de cristal!



* André Luiz Aguiar é advogado formado pela 
Pontifícia Universidade Católica do 
Paraná (PUC-PR), pesquisador e consultor 
em Nanotecnologias e regulamentação.  

__________________________________________

Vejam:
a)
 Human gait energy scavenger

b) Tênis transforma movimento dos pés em energia
c) Calçados Bibi aposta em nanotecnologia
d) Nanotecnologia no calçado
e) Couromoda dá as dicas para subir ou descer do salto
f) Nanotecnologia no calçado
g) Nanotecnologia é destaque em modelos da Bibi
h) Calçados Bibi traz inovações e tem saldo positivo na Zero Graud
i) Conheça a coleção de inverno da Bibi