Pesquisar este blog


quinta-feira, 28 de março de 2013

Nanomaterials In Soil: Our Future Food Chain?

Institute for Agriculture and Trade Policy

To feed a growing population under increasing natural resource constraints, the World Bank, the United Nations Food and Agriculture Organization (FAO) and other international organizations are promoting “sustainable intensification” as the future of agricultural production.1 The application of nanotechnology techniques to agricultural crop inputs is one of the proposed tools for “sustainable intensification.”2 These applications include reducing the volume of pesticide use through adding nano-silver particles to pesticides to make them more effective in targeting pests with a smaller pesticide volume; adding nano–metal oxides to target soil pathogens, e.g., those resulting from fertilizing with non-composted manure; adding nano-silicon to increase water uptake efficiency in plants; developing a DNA-based nanobio-sensor in a polymer to coat fertilizers, which would release only as much fertilizer as “demanded” by plant root ionic signals.

Each of these applications presents its own opportunities, risks and knowledge gaps. Thus far, governments are allowing the commercialization of ENMs and nano-enabled products while they deliberate whether and how much to regulate nanotechnologies. One European Commission summary of a decade of tentative steps towards a mixture of regulation and industry “self-regulation” states, “Nanotechnologies-related products/activities are presently regulated essentially by using existing provisions, but given the unique features of nanotechnologies doubts exist about the effectiveness of this approach. The use of specific hard regulation is advocated by some parties, but so far, the strategies from authorities worldwide have been essentially on probing the extendibility of existing regulatory schemes to nanotechnologies and/or to ensure compliance with them. In the last few years, voluntary measures have been endorsed by public bodies and industry to build confidence and trust, promote safety or gather data.”4

As a result of the intragovernmental debate over whether to develop nanotechnology-specific regulation, governments have not yet conducted thorough assessments of nano-specific risks, nor have they required pre-market and post-market safety assessments of nano-enabled products. Notwithstanding the lack of such assessments, a FAO/World Health Organization convened expert group report stated, “It is expected that nanotechnology-derived food products will be increasingly available to consumers world-wide in the coming years.”5

More than two decades ago, two eminent toxicologists advised that “it would be prudent to examine and address environmental and human health concerns before the widespread adoption of nanotechnology.”6With the exception of some medical applications of nanotechnology, governments, corporations and even university-based start-up companies have ignored this advice. As a result, governments have allowed hundreds of—perhaps more than a thousand—consumer products marketed as incorporating ENMs7 to be commercialized without any pre-market safety assessment.

According to Internet advertisements, ENMs are already being used in “nano-fertilizers.”8 Because governments do not regulate ENMs in fertilizers, they do not test these products, nor, of course, their product claims. Due to manufacturer confidentiality claims, determining the volume of ENMs in consumer and industrial products is very difficult, but for the five most widely used of more than 250 ENMs, one academic study estimated up to 40,000 tons a year are produced in the United States alone.9

Nano-sizing, in theory, should make fertilizer nutrients more available to nanoscale plant pores, and therefore result in greater nutrient use efficiency. However, the dosing of fertilizers and “biosolids”—water treatment residues used as fertilizer—with ENMs also chronically exposes soil microbes and microfauna, as well as the plants themselves, to levels of chemical reactivity that may be toxic. Among the factors that are believed to increase toxicity of ENMs over their macro-scale counterparts are “particle size, shape, crystal structure, surface area, surface chemistry and surface charge.”10 Nano-sizing, because of its exponentially greater surface-to-mass ratio, makes toxins more bioavailable and bioaccumulative in tissues that macro-scale materials cannot penetrate.

Here we review a small part of the rapidly growing scientific literature that raises questions about how ENMs might affect soil health and soil biodiversity in field trials and subsequently the commercial and chronic application of ENMs in agricultural soil. The questions concern not only the intentional use of ENMs in fertilizers, but the incidental presence of ENMs in “biosolids,” defined by the U.S. Environmental Protection Agency (EPA) as “treated residuals from wastewater treatment that can be used beneficially.”11Biosolids are often used to fertilize agricultural fields. As a Purdue University researcher recently noted, “Land application of biosolids is standard procedure now [at least in the United States] . . . If any of that [biosolid] contains nanotubes, that could be a problem.”12

That problem has many dimensions. U.S. regulators are only beginning to propose nano-specific occupational safety rules to protect workers, such as a new draft rule that will cover carbon nanotubes,13but it is not clear if this rule would protect farmers and farmworkers applying nanotubes in biosolids. The farm workers who apply the biosolids with carbon nanotubes (CNTs), for example, might be, over time, at risk of the afflictions of laboratory rats’ lungs exposed to CNTs: “inflammation, fibrosis, and toxicological changes in the lung. When the [CNTs] are applied to skin cells, biochemicals that indicate cellular damage increase.”14

There is no informed, broad-based constituency to support regulating ENMs in fertilizers and biosolids to protect soil health and soil biodiversity. A first step toward the eventual regulation of ENMs in soil could be a series of participatory technology assessments that would bring together farmers, soil micro-biologists, fertilizer manufacturers, ENM manufacturers, biological engineers and interested civil society representatives. Such technology assessments would allow the layperson, informed by science, to raise questions about ENMs and nano-enabled products that should be asked prior to commercialization, and indeed, prior to technology investment, particularly with public funds. A hybrid of expert and layperson technology assessment could draw on some of the methodology of the Expert and Citizen Assessment of Science and Technology that fed into the Convention on Biological Diversity proceedings.15 

However, the relatively smaller topical focus of nano-fertilizers would be conducive to mixing and matching different knowledge bases among participants. This process would also consider the broader natural resource and social context of the use of a technology.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Programa CAPES/Laboratório Ibérico Internacional de nanotecnologia

O Programa de projetos de pesquisa e formação e capacitação de RH CAPES/INL foi criado para estimular e apoiar a realização de projetos conjuntos de pesquisa permitindo o acesso de instituições de ciência, tecnologia e inovação, pesquisadores, estudantes e empresas brasileiras ao Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), visando o desenvolvimento de projetos de pesquisa na área de Nanotecnologia, utilizando-se da capacidade instalada, de recursos humanos e de infra-estrutura disponíveis naquela instituição e demais entidades a ela associadas, estimulando ainda o fomento à formação de recursos humanos altamente qualificados no nível de pós-graduação e, de forma complementar, em nível de graduação.


  • Missões de trabalho: diárias internacionais, seguro saúde e passagens aéreas internacionais para docentes brasileiros;
  • Missões de estudo: bolsas, auxílio instalação, seguro saúde e passagens aéreas internacionais ou auxílio deslocamento para discentes brasileiros;
  • Recursos de custeio.


Inscrições on-line

Documentos para download

Publicação na WEBNome do documentoFormatos disponíveis
25/03/2013Edital 015/2013 - Programa Capes/Laboratório Ibérico Internacional de NanotecnologiaDOC

Fonte: Capes

sexta-feira, 22 de março de 2013

Indústrias de diversos setores de Santa Catarina investem em nanotecnologia

Simpósio realizado em Florianópolis aproxima especialistas de uma área em expansão no Estado

Cristiano Estrela / Agencia RBS
A microtecnologia é aplicada no Estado
por empresas de diversos ramos

Foto:  Cristiano Estrela  /  Agencia RBS
Os melhores perfumes estão nos menores frascos, diz o dito popular. E a nanotecnologia está aí para comprovar a afirmativa. Desenvolvida para potencializar a capacidade de construir estruturas, geralmente com medidas que variam entre um e cem nanômetros (dimensões microscópicas), ela permite uma nova revolução industrial. Em Santa Catarina, cerca de 10 empresas já entraram nesta área.

Os produtos da nanotecnologia são desenvolvidos a partir da menor partícula possível, utilizando técnicas e ferramentas criadas para colocar cada átomo e molécula no lugar desejado, provocando consequências econômicas e sociais. A microtecnologia é aplicada no Estado por empresas dos setores têxtil, metalmecânico, cerâmico, de fármacos e cosméticos, na odontologia e em próteses.

Para debater o assunto e promover o intercâmbio entre os empreendimentos que utilizam esta tecnologia e aqueles que podem empregá-la está sendo promovido desde ontem e até hoje, em Florianópolis, o 2º Simpósio Técnico e Empresarial de Nanotecnologia, organizado pelo Arranjo Promotor da Inovação (API) em Nanotecnologia do Polo Tecnológico da Grande Florianópolis (Tecnópolis).

A base da nanotecnologia é a possibilidade de não apenas oferecer produtos aperfeiçoados, mas também uma ampla variedade de melhores meios de produção. Nesta procura é que surgiu a última revolução industrial, nanotecnológica, similar ou maior que a feita pela informática. Isso porque a técnica permite fabricar produtos qualificados e com custo reduzido, segundo a farmacêutica Betina Zanetti Ramos.

Ela é proprietária da Nanovetores, com foco na produção de insumos nano e microencapsulados para segmentos industriais no mercado têxtil, de cosméticos, alimentício, odontológico e veterinário. A empreendedora reconhece a necessidade de investimento na área, mas também reafirma o potencial a ser explorado pela nanotecnologia no Estado.

Empresa de SC com profissionais de fora
Com 20 funcionários, a empresa de Florianópolis só não aumenta o quadro de colaboradores por questão de espaço – a limitação está prestes a ser solucionada com a inauguração de uma nova sede.

– O mercado é muito próspero. Temos 30 produtos confirmados, mais de 400 clientes, inclusive multinacionais, e somos frequentemente procurados por pessoas querendo trabalhar com a gente. Até estudantes de outros países querem estágios. Se antes os nossos profissionais precisavam ir para fora do Brasil para aprender, hoje os estrangeiros querem vir para SC aprender conosco– comemora.

Útil para tecidos, plásticos e próteses
A alta tecnologia microscópica extrapola os produtos de beleza no Estado. Outros dois cases de sucesso em solo catarinense são as consolidadas TNS Solutions e Innovacura, ambas da Capital catarinense.

Focada na fabricação de aditivos antimicrobianos nanoestruturados compostos por nanopartículas de prata, a TNS oferece soluções, em escala industrial, tanto para o setor têxtil quanto para o de polímeros. No portfólio, produtos como os tecidos retarda chamas, antimofo para colchões e travesseiros, antimicróbios para calçados infantis, além de próteses de pernas e braços, vasos e torneiras que nunca irão mofar, e embalagens de alimentos e boxes.

Para completar, a empresa está testando, e com sucesso, elementos filtrantes para o tratamento de água e o desenvolvimento de tintas, resinas e vernizes antimicróbios para aplicação em hospitais, creches e demais locais com grande fluxo de pessoas.

A Innovacura, por sua vez, investiu no segmento de biomateriais ao atuar no aprimoramento de próteses, principalmente de quadril e odontológicas. Para estes clientes, a empresa oferece um novo material nanoparticulado que reveste estas estruturas. Trata-se no nano-Hap, que confere maior adesão e melhora a resistência à corrosão, o que eleva a vida útil do produto.

A empresa também tem avançado em novas pesquisas. É o caso do Sr-nano-Hap e do Ag-nano-Hap que são, respectivamente, novas tecnologias de prevenção à osteoporose e de propriedades antibacterianas para próteses metálicas.

Para aproximar os setores
Pesquisadores e executivos de empresas estão reunidos, desde ontem e até o final do dia de hoje, no simpósio promovido na Capital que procura apresentar e debater as principais aplicações de nanotecnologia no tratamento de águas, efluentes e em superfícies de peças. Durante o encontro, estão sendo promovidas palestras, demonstrações, visitas e rodadas de negócios. O evento também serve para apresentar soluções desenvolvidas por pesquisadores e empresas estrangeiras e brasileiras.

Empresas dos setores automobilístico, aeronáutico, naval, metalmecânico, plástico e de óleo e gás podem se interessar pelas novas aplicações em tratamento de superfícies, que reduzem oxidação, desgaste, atrito e concedem características cromáticas e resistência, segundo o coordenador do evento pela Fundação Certi, Antônio Rogério de Souza.
Os setores de saneamento, têxtil, de couro e também o de óleo e gás podem conferir novidades em tratamento de águas e efluentes.

Nossa intenção é consolidar a região como polo de excelência em nanotecnologia e estreitar a relação entre o setor produtor e as empresas que precisam inovar produtos e processos com essa tecnologia – esclarece Souza.

O seminário organizado pelo API Nanotecnologia do Tecnópolis, sob a coordenação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e da Fundação Certi, tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Nanomundo à disposição dos curiosos de plantão
Uma novidade itinerante promete agradar: o Nanomundo, uma escola de tecnologia móvel, vinda do Senai paulista, que está no campus da UFSC para apresentar o que há de mais novo em microscópios eletrônicos e equipamentos de alta tecnologia. Nele, o visitante poderá assistir a demonstrações e experiências de aplicações práticas de nanociência e nanotecnologia.

Ciência visionáriaPopularizada nos anos de 1980 pelo cientista e engenheiro americano Eric Drexler, o termo “nanotecnologia” fazia referência à construção de máquinas em escalas moleculares de apenas nanômetros de tamanho. Em 2000, a nanotecnologia começou a ser desenvolvida em laboratórios e as pesquisas aumentaram significativamente, tanto que hoje ela é o centro das atenções em várias áreas da ciência.

O propósito de Drexler e dos cientistas que o seguiram era que a nanotecnologia fosse capaz de produzir um impacto significante na maioria das indústrias. O que está acontecendo. Prova disto é o seu uso na melhoria dos sistemas de construção; nos setores metalmecânico e de cerâmica ela possibilita a fabricação de produtos mais duráveis, seguros e inteligentes.

Hoje, ela é aplicada em plásticos, box e pia de banheiro, calçados infantis, roupas e até em cápsulas que hidratam a pele e tratam a celulite. Isto por enquanto. Porque estudos vislumbram a possibilidade de criar, a partir da nanotecnologia, o material mais escuro do mundo, que absorve mais de 99,9% de toda a luz que recebe e pode permitir um novo patamar no aproveitamento da radiação solar para geração de energia elétrica.

A expectativa de Drexler é que os avanços podem ir além, chegando ao estágio em que seria possível produzir nanodispositivos para a regeneração de tecidos. O que nos levaria à imortalidade. Alguém duvida?

Fonte: ClicRBS

sexta-feira, 15 de março de 2013

FINEP lança quatro editais de subvenção no valor de R$ 144 milhões

Já como parte do Plano Inova Empresa, a FINEP acaba de lançar um pacote de quatro editais com um total de R$ 144 milhões em recursos de subvenção econômica, não reembolsáveis (que não precisam ser devolvidos), para empresas de qualquer porte nas seguintes áreas: nanotecnologia, biotecnologia, Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), construção sustentável e saneamento ambiental.

Os interessados devem mandar suas propostas até o mês de maio, conforme o cronograma específico de cada edital.

A área com mais recursos é TICs, que dispõe de R$ 60 milhões para o desenvolvimento de produtos ou processos inovadores que envolvam significativo risco tecnológico, associados a claras oportunidades de mercado. Os temas apoiados serão: computação em nuvem; petróleo, gás e mineração; defesa cibernética; componentes, dispositivos semicondutores e eletrônicos; e aeroespacial. As propostas podem ser enviadas até 7 de maio.

Nanotecnologia tem R$ 30 milhões para o desenvolvimento de produtos ou processos inovadores que envolvam risco tecnológico. Serão apoiados projetos relacionados a plásticos e borrachas (R$ 12 milhões); papel e celulose (R$ 10 milhões); e higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (R$ 8 milhões). O prazo para envio de propostas é 16 de maio.

A área de construção sustentável e saneamento ambiental também dispõe de R$ 30 milhões. O prazo para envio de propostas é 13 de maio de 2013.

Biotecnologia tem R$ 24 milhões para projetos de inovação em produtos com aplicação nas áreas de cosmética a partir da biodiversidade brasileira, agronegócio e saúde animal. O prazo é 9 de maio.

Fonte: FINEP


a) Dilma anuncia Plano de R$ 32,9 bi para inovação

Parque Tecnológico Virtual é lançado em Maringá

A Universidade Estadual de Maringá sediou, na manhã desta sexta-feira (15/3), o terceiro de uma série de workshops regionais para implantação do projeto do Parque Tecnológico Virtual (PTV) do Paraná. Realizado no auditório PDE, com a presença de mais de 300 pessoas, o evento contou com a presença do secretário estadual da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Alípio Leal, e do presidente do Instituto Tecnológico do Paraná (Tecpar), Júlio César Félix, reunindo, ainda, pelo menos uma centena de lideranças de Maringá e região, entre elas o prefeito de Maringá, Carlos Roberto Pupin, o Secretário de Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul do Paraná, Ricardo Barros, os deputados estaduais Enio Verri (PT) e Wilson Quinteiro PSB), e o presidente da Amusep, Edgar Silvestre. Além de prefeitos de cidades da região, pesquisadores e autoridades acadêmicas.
Alípio Leal explicou que o parque será operacionalizado pelo Tecpar e irá reunir todos os setores envolvidos com inovação e com desenvolvimento tecnológico do Estado numa mesma plataforma virtual, favorecendo a cooperação entre o setor produtivo, governo e academia. E usando uma metáfora disse que “essa tríplice hélice irá mover o motor do desenvolvimento do Estado, trabalhando conjuntamente e de forma equilibrada”.
Em cada uma das sete universidades públicas estaduais será criado um polo de desenvolvimento, para coordenar o parque em suas regiões. A UEM representa o Polo de Desenvolvimento do Noroeste do Paraná, lançado oficialmente nesta sexta-feira. Além da plataforma virtual, abrigará também um parque tecnológico físico, em parceria com a prefeitura de Maringá. 
O reitor Júlio Santiago Prates Filho disse que a UEM tem muito a contribuir para o PTV. “Com as demais instituições de ensino superior paranaense, compomos um sistema estadual de ciência, tecnologia e inovação capaz de responder às demandas das empresas e as necessidades e expectativas da sociedade”.
Lembrando a estrutura multicampi da UEM e destacando os índices e qualidade das pesquisas acadêmicas e o prestígio em âmbito nacional e internacional da Instituição, o reitor disse que o projeto terá uma larga abrangência na região. Ele ainda citou as parcerias que a Universidade mantém com os setores público e privado, agregando valor e inovando em produtos, processos e serviços, melhorando a vida das pessoas. Falou da participação da Universidade no Vale da Seda, que tem apoio da UEM desde 2005, e que hoje começa a se destacar como um polo exportador. 
Contribuindo para o clima desenvolvimentista do Estado, Alípio Leal lembrou que a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) aprovou, há poucos dias, projeto do Paraná para estimular e financiar a inovação nas pequenas e micro empresas de base tecnológica. O resultado é que o PTV foi contemplado com R$ 15 milhões em recursos da Finep e terá mais R$ 7,5 milhões de aporte do governo do Paraná, por meio do Fundo Paraná de Ciência e Tecnologia, contrapartida prevista no edital. Mas o secretário adiantou que o governo pretende fazer um aporte adicional de R$ 7,5 milhões no ano que vem, totalizando R$ 30 milhões de recursos para incentivar a inovação no Paraná. 

Adesão ao PTV
As empresas locais e regionais que aderirem ao PTV se beneficiarão do uso de serviços tecnológicos credenciados e serão acompanhadas de perto pelo parque tecnológico da UEM. A plataforma virtual viabiliza ferramentas de gestão, interação e inteligência competitiva, que possibilitarão diagnósticos e correções para a aceleração da inovação no Paraná. Será governada através de um comitê gestor que terá membros do governo do Estado, representantes da academia e do setor produtivo, segundo informou o presidente do Tecpar, Júlio César Félix.

O secretário Alípio Leal lembrou que a Lei de Inovação Tecnológica do Paraná, assinada pelo governador Beto Richa, no dia 27 de fevereiro, instrumentaliza e dá impulso para a implantação desse projeto, à medida que cria benefícios e estabelece mecanismos de cooperação entre os setores público e privado e academia para pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico no Estado. 

A cooperação pode, segundo o secretário, ser uma resposta à iniciativa privada, que muitas vezes se queixa de que a academia é muito fechada. “Vamos continuar incentivando a pesquisa básica, mas também vamos incentivar e investir na pesquisa aplicada, melhorando o conhecimento e a qualidade de vida das pessoas”, disse Alípio Leal, dizendo que isso será feito trabalhando de forma inteligente e reunindo competências. “Mais do que discursos, temos ações e projetos em andamento”, disse.

Nesse tom, falou o secretário Ricardo Barros, que defendeu a pesquisa aplicada, até como uma forma de retorno nos investimentos que são feitos nas universidades. Barros também disse que o desenvolvimento de uma cidade está diretamente atrelado ao diferencial que ela oferece. E citando municípios da região, que investem na sua “vocação”, lucrando com isso, Barros disse que Maringá precisa estabelecer qual é o seu diferencial. 

Alípio Leal aceitou a proposta do secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul e “decretou” a cidade como a Capital da Inovação do Paraná, recebendo aplausos da plateia.
Economista por formação, o deputado Ênio Verri disse que o nível de renda da população vai avançar através do aumento na competitividade, interna e externa. E que a inovação tecnológica é fundamental para esse avanço. “No entanto, o empresariado precisa entender que o tempo da ciência não é o mesmo tempo da empresa”, frisou o deputado, defendendo a cooperação entre os setores e dizendo que o Paraná só tem a ganhar com essa união de forças.
Lei de Inovação Municipal
Além de salientar a importância da pesquisa aplicada, o prefeito Carlos Roberto Pupin anunciou que Maringá também terá sua Lei de Inovação Tecnológica, cujo projeto está em fase de conclusão. E deu a notícia que a  cidade deverá receber uma empresa russa,  que atua na área de nanotecnologia, gerando 230 novos empregos de alta remuneração.
Também discursaram na cerimônia de lançamento, o reitor do Centro Universitário de Maringá (Cesumar), Wilson Matos, e o deputado estadual Wilson Quinteiro (PSB). Matos fez um comparativo numérico entre o Brasil e grandes potencias mundiais, como Estados Unidos e China, evidenciando que o país ainda tem muito a percorrer para alcançar pleno desenvolvimento. Quinteiro falou que o Paraná vive um grande momento e que a Lei de Inovação Tecnológica deverá impulsionar ainda mais o desenvolvimento do estado. Além disso, Quinteiro lembrou que as universidades estaduais operam com excelência, tendo muito a contribuir para o sucesso do PTV. 
O programa ainda conta com parceria da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) para identificar entre o setor produtivo e selecionar as empresas que serão beneficiadas com esses recursos – micro e pequenas empresas.
Demonstrações in loco
No hall do PDE foram apresentados produtos e sistemas gerados pela inovação tecnológica e empresas integrantes da Incubadora Tecnológica de Maringá colocaram alguns itens em exposição.

a) Parque Tecnológico Virtual do Paraná agora é real

quinta-feira, 14 de março de 2013

Evento quer consolidar Florianópolis como referência em nanotecnologia

Nos dias 21 e 22 de março de 2013, pesquisadores e executivos de empresas estarão reunidos no 2º Simpósio Técnico-Empresarial de Nanotecnologia, em Florianópolis (SC), a fim de apresentar e debater as principais aplicações de nanotecnologia no tratamento de águas/efluentes e de superfícies de peças. Durante os dois dias do evento, serão conduzidas atividades (palestras, demonstrações, visitas, rodada de negócios) e apresentadas soluções desenvolvidas por pesquisadores e empresas estrangeiras e brasileiras, em particular as estabelecidas no Polo Tecnológico da Grande Florianópolis - Tecnópolis. 
O evento é organizado pelo Arranjo Promotor da Inovação em Nanotecnologia (API Nanotecnologia) do Tecnópolis, sob a coordenação da Universidade Federal de Santa Catarina e da Fundação CERTI, e com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.
O API Nanotecnologia reúne aproximadamente 20 grupos de pesquisa em nanotecnologia, principalmente da UFSC, e cerca de dez empresas do setor. “Nossa intenção é consolidar a região da Grande Florianópolis como um polo de excelência em nanotecnologia e estreitar a relação entre o setor produtor de soluções e as empresas brasileiras que precisam inovar seus produtos e processos com essa tecnologia”, explica o coordenador do evento pela CERTI, Antônio Rogério de Souza.
Empresas de setores como automobilístico, aeronáutico, naval, metalmecânico, plástico, óleo e gás podem se interessar pelas novas aplicações em tratamento de superfícies, que reduzem oxidação, desgaste, atrito e concedem características cromáticas e resistência. 
O Simpósio é voltado a empresas que pretendem fazer uso ou que já utilizam a nanotecnologia, bem como empresas fornecedoras de soluções e instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação. As atividades do primeiro dia ocorrem no Centreventos Ministro Renato Archer, localizado no prédio do CELTA no Parque Tecnológico Alfa, e no segundo dia, nas instalações da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e da Fundação CERTI. As inscrições podem ser feitas no site  até o dia 19 de março.
2º Simpósio Técnico-Empresarial de Nanotecnologia
Data: 21 e 22 de março de 2013
Local: Parque Tecnológico Alfa e Campus da UFSC (Florianópolis)
Inscrições: até o dia 19/03 (R$150,00)
Mais informações:

Fonte: FIEP