Pesquisar este blog


terça-feira, 30 de julho de 2013

ANSI Nanotechnology Standards Panel Launches Standards Database

Site Logo

On July 29, 2013, the American National Standards Institute Nanotechnology Standards Panel (ANSI-NSP) announced the launch of a new database compiling information concerning nanotechnology-related standards and affiliated activities. 
According to ANSI-NSP, the database is part of a larger effort by ANSI-NSP and its members and partners to increase the visibility of existing and in-development nanomaterials and nanotechnology guidance documents, reference materials, and standards. 

The database, which does not directly host the standards and other materials, is a free resource that provides information about standards and other relevant documents related to nanomaterials and nanotechnology-related products and processes. 

 ANSI-NSP encourages standards-developing organizations, government bodies, and other relevant organizations to contribute information about their documents and standards.

Nano-Harpoons for Silk Brain Interfaces


Silk brain implants, developed by Brian Litt at the University of Pennsylvania in 2010, are in the news again, this time as part of an NIH-funded study where they’re being used to stop epilepsy in rats.
What are silk brain implants? They’re silk membranes just 2.5 microns thick which support a network of flexible electrodes for neural interfacing. The membranes are designed to dissolve, leaving the electrodes behind.
A couple of technologies have been developed since 2010 which could be used with the silk membranes to make them more useful. The first are flexible microchips, just 30 microns thick, developed in Belgium and announced in October 2012. The second are nano-scale carbon nanotube neural harpoons, a millimeter long and nanometers wide, developed at Duke University and announced in July 2013.
The neural harpoons could hook up to neurons up to a millimeter in the brain, while the flexible microchips do localized processing. This approach would provide much clearer signals than electrodes which just set on the surface of the brain. The harpoons, created by sharpening with an ion beam, are capable of snagging individual neurons and measuring their input. It would take some work to mechanically embed them in the silk brain implant and provide them with the capability of launching themselves into a specific location in neural tissue.
What sorts of applications could this sort of device be used for? It could teach us about the functions of specific neurons in live brains. That information, in turn, could be used to build interfaces that implant false memories, or real knowledge. There’s even the possibility they could eventually be used to record or create dreams.
Before these carbon nanotube harpoons, brain implants were made of glass or silicon, substances which can break or damage tissue. The nanotubes are flexible, and too small to seriously damage tissue. They are fantastic conductors, sending high-fidelity electrical signals from one end to the other.
Experiments found that the nanotube harpoons were less likely to break off in cells than silicon probes, though there is still a risk of breakage. Insulation and the geometry of the device also need to be improved. Nonetheless, it’s clear this is a significant step forward for brain-computer interfaces.

Increase the Impact of Nano Research with Nano Archive (Institute of Nanotechnology) and Nanopaprika

TINC Hot Papers and the Nano Archive Join Forces to Increase the Impact of Nano Research 
  • How can you widen access to your papers and publications?
  • How can you increase the impact of your research output?
The International NanoScience Community ( and the Nano Archive ( are combining resources to raise the profile of nano-related research output.
  • With over 6437 members from more than 80 countries, TINC is already showcasing the latest cutting edge research to the global nano community through its ‘Hot Papers’ section
  • With almost 9,000 fully searchable items and 2000 full texts, the Nano Archive – managed by the Institute of Nanotechnology – can host your abstracts, papers, articles, book chapters, proceedings and other media items

This partnership aims to reduce access barriers to research output for nano scientists and researchers across the globe and will bring together material currently distributed across different institutions in a fully searchable repostory. Importantly, it will assist nano researchers and scientists in exploiting and disseminating the foreground of research activities.
Together, we will:
  • provide links to your research papers, abstracts, and even conference proceedings online for free on both sites.
  • enable members of the international nano community to find your output.
  • host your abstracts, articles and papers, of all of which are searchable by author, publication date, subject area and keywords.
  • issue joint blogs and announcements to the nano communities about latest additions
What next?
You don’t need an account to access current research. To find the latest papers together with links to journals, go to For research past and present, you can search using keywords, author, yearof publication or title at
You send it, we’ll share it.
To apply for an editor’s account so that you can upload your own peer reviewed papers and publications, contact Lesley Tobin:
About the Institute of Nanotechnology ( and the Nano Archive (
The Institute of Nanotechnology ( is a not-for-profit global organisation that works closely with governments, universities, researchers, companies and the general public to educate and inform on all aspects of nanotechnology as well as advanced and enabling technologies. It engages in consultancy, public information provision, identifying and coordinating new research projects, market intelligence, advertising and sponsorship opportunities, and promoting education and training. As Project Coordinator of the EC funded, 4-year FP7 project ICPC-Nanonet, the IoN established the Nano Archive - an online repository of peer reviewed open-access papers, abstracts, book chapters and conference proceedings to reduce barriers to research access. For more information, please see
About The International NanoScience Community (
The International Nanoscience Community, TINC, was cooked up by Hungarian chemistry PhD student Andras Paszternak. It now provides a rich menu of communication tools for the international community of scientists working in the growing field of nanoscience and nanotechnology and recently passed the 6437 members mark, including researchers, students, industrial partners from Europe, India, the USA, and 70 other countries. TINC is open to everyone from post-doctoral researchers and professors to students everywhere. The virtual nano community is fully equipped with all the functions one expects from a modern online networking site: personal chat, a scientific forum, more than 100 thematic groups, including microscopy, nanomedicine, and even a discussion forum on safety and toxicity. TINC has also been a media partner for more than 90 nano conferences on different topics in 2009, 2010, 2011 and 2012. “There is only one important assumption: you have to be interested in nano!” adds Paszternak.
Visit - The International NanoScience Community at:

Fonte: Nanopaprika

The Nano Archive (IoN)

Link para o site do Instituto de Nanotecnologia

About the Nano Archive

This site is powered by EPrints 3, free software developed by the University of Southampton.

Contact Information

Any correspondence concerning the Nano Archive should be sent to

About the Nano Archive

The Nano Archive is part of the ICPCNanoNet project, funded by the EU under FP7 for four years from 1st June 2008 (contract number 218282). It brings together partners from the EU, China, India and Russia and aims to provide wider access to published nanoscience research and opportunities for collaboration between scientists in the EU and International Cooperation Partner Countries.

This electronic archive of nanoscience publications has a simple interface for the deposit of full-text papers and incorporates facilities for retrieval by browsing or searching. It is freely accessible to researchers around the globe, making research papers and other scholarly publications widely available.

The Nano Archive aims to:
* reduce access barriers to research output from nano scientists and researchers across the globe
* ensure records are readily searchable and retrievable by providing an Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvesting compliant service,
*bring together material currently distributed across different institutions

Benefits for you as a researcher:
* Your research is available more widely - to academics and others, worldwide. Research shows that free online availability substantially increases a paper's impact.
* If your research funding conditions require open access to the findings of the research project, this is one way of complying with that requirement
* It speeds up research sharing through new ways of locating and accessing academic papersIt helps free research output from access barriers and tolls
* Your research is stored in a secure central, searchable space, in perpetuity
* Easy access to your papers for students and research partners
* Access to similar repositories worldwide. See the Sherpa web-site for links to other services.

The Nano Archive service is not a substitute for formal publication in peer-reviewed journals. It has been developed to host material that has already been published: the majority of journals now allow this and there is further guidance on publishers' copyright agreements in our deposit guide.

The Nano Archive is similar to other international eprints initiatives. Institutional Repositories have been established by many universities and other organisations around the world over the last few years. Their development is part of an international movement to overcome the constraints and escalating costs of traditional scholarly publishing. Further information is available from:

By compliance with a standard protocol, the Open Archive Initiative Protocol for Metadata Harvesting , it is possible for all repositories to be searched from a single point. Distributed institutional and disciplinary repositories can all be searched as if they were one, using search engines such as Google Scholar or OAISter

About Open Access

JISC Open Access Briefing Paper Version 2 September 2006Research Councils UK Position Statement on Access to Research Outputs
Wellcome Trust Position Statement in Support of Open and Unrestricted Access to Published Research
House of Commons Science and Technology Committee Report: Scientific Publications: Free for all?
Berlin Declaration on Open Access to Knowledge in the Sciences and Humanities

Fonte: Nano Arquive

Nanosafety in Europe 2015 - 2025

Towards Safe and Sustainable Nanomaterials and Nanotechnology Innovations

The Finnish Insitute of Occupational Health, together with the members of the European Nanosafety Cluster, that is, over a hundred European nanosafety research experts, have produced a research strategy for the European Commission. 
The strategy outlines the focal points of nanomaterial safety research for the Commission’s 8th framework programme (Horizon 2020).

Editorial Group: Kai Savolainen (coordinator), Ulrika Backman, Derk Brouwer, Bengt Fadeel, Teresa Fernandes, Thomas Kuhlbusch, Robert Landsiedel, Iseult Lynch, and Lea Pylkkänen.
Työterveyslaitos 2013

ISBN 978-952-261-310-3 (Book)
ISBN 978-952-261-311-0  (PDF)

Page 113

Conclusions_page 207

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Regulamentação para pesquisas em nanotecnologia é prioridade em conselho governamental

A regulação da área de nanotecnologia está entre as prioridades das discussões do Conselho Interministerial do setor composto por nove ministérios, além da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O segmento é apontado como solução para problemas enfrentados pela sociedade.
Para o diretor do Centro de Gestão de Estudos Estratégicos (CGEE), Fernando Rizzo, é preciso atenção ao regular os estudos porque em escalas nanométricas alguns elementos podem oferecer risco. “Há uma preocupação que algumas dessas nanopartículas possam ser tóxicas”, alerta o diretor.
Outro fator que precisa ser levado em consideração é que as nanopartículas podem atravessar a membrana que protege o cérebro de componentes nocivos lançados na corrente sanguínea. “Uma questão básica da regulamentação é saber quais são os efeitos de nanopartículas em seres humanos. Para isso, tem que fazer pesquisa e saber como elas funcionam”, diz o coordenador-geral de Micro e Nanotecnologias do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Flávio Plentz.
Para Plentz, a regulação é a segurança para que um produto que envolve nanotecnologia seja aplicado em qualquer outro produto. O professor de física da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Peter Schulz, aponta que a  falta de regulação da nanotecnologia é um problema comercial em muitos países.
O mundo inteiro tem esse problema de regulação. Uma questão importante em nanotoxicologia é que não existe sequer os protocolos mais adequados para testar as nanopartículas, como pesquisar estruturas e que tipo de técnica ou instrumento se usa para medir as propriedades”, destaca.
Schulz é autor do livro A Encruzilhada da Nanotecnologia, que chama a atenção para os aspectos revolucionários da área e também às preocupações referentes aos impactos dessas inovações. Além das questões de saúde, tecnologias avançadas podem criar armas mais poderosas.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Embrapa: pesquisadores de 7 países visitam laboratórios da Unidade

A Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP) recebe nesta segunda-feira (29) um grupo de pesquisadores de sete países, considerados referências mundiais na área de biotecnologia industrial e nanotecnologia.
A visita encerra a participação dos cientistas no II Workshop Internacional do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química da Universidade Federal de São Carlos (PPGEQ-UFSCar) sobre os avanços da biotecnologia industrial. O evento, realizado nos dias 28 e 29, foi promovido pela UFSCar e instituições parceiras.

Articulada pela pesquisadora Cristiane Farinas, membro da comissão organizadora do evento, a visita à Embrapa Instrumentação, a partir das 14 horas, é uma oportunidade de apresentar o potencial das pesquisas desenvolvidas no Centro e também uma forma de prospecção e colaboração.

O workshop é focado na área de bioprocessos, abrangendo aplicações desde biocombustíveis à indústria farmacêutica, de alimentos, entre outras, área em que tem havido expressivo avanço na produção intelectual brasileira, com crescente colaboração academia-indústria.

O grupo composto por participantes do Chile, México, Bélgica, Dinamarca, Estados Unidos, Portugal e Irlanda vai visitar os Laboratórios de caracterização Físico Química, de Agroenergia e de Nanotecnologia.

Joana Silva, Jornalista (MTb 19554)
Núcleo de Comunicação Organizacional
Embrapa Instrumentação
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
São Carlos/SP

Nanotecnologia ainda necessita de regulamentação

Tratada como revolução tecnológica, nanociência ainda enfrenta dilemas como a regulação e o escasso conhecimento sobre consequências de materiais produzidos

Laboratório de nanotecnologia médica da UFMG, em Belo Horizonte
Laboratório de nanotecnologia médica da UFMG, em
Belo Horizonte: falta de regulação da nanotecnologia é
problema comercial e em escala mundial

Brasília - Apontada como solução para muitos dos problemas da humanidade, nanotecnologia ou nanociência enfrenta, ainda, dilemas como a regulação da área e o escasso conhecimento a respeito dos efeitos colaterais de novos materiais produzidos.
O diretor do Centro de Gestão de Estudos Estratégicos (CGEE), Fernando Rizzo, aponta que elementos em nanoescala se comportam de maneira diferente do que fariam em sua forma principal. “Há uma preocupação que algumas dessas nanopartículas possam ser tóxicas”, alerta o diretor.
O tamanho nanométrico das partículas também causa temor em médicos. As nanopartículas podem atravessar a membrana que protege o cérebro de componentes nocivos lançados na corrente sanguínea.
Uma questão básica da regulamentação é saber quais são os efeitos de nanopartículas em seres humanos. Para isso, tem que fazer pesquisa e saber como elas funcionam”, diz o coordenador-geral de Micro e Nanotecnologias do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Flávio Plentz.
A regulação da área está entre as prioridades das discussões do Conselho Interministerial de Nanotecnologia, composto por nove ministérios além da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O MCTI financia seis redes de pesquisa em nanotoxicologia para estudar e orientar a legislação sobre o tema.
A regulação é a segurança que um produto que envolve nanotecnologia vai ser seguro para o uso como qualquer outro produto. Depois, tem os aspectos de dar segurança jurídica, para que empresas desenvolvam produtos em nanotecnologia e saibam o que precisam ter para estar no mercado”, disse Plentz.
A falta de regulação da nanotecnologia é um problema comercial e em escala mundial. Muitos países não têm regras para produtos desenvolvidos pela área. “O mundo inteiro tem esse problema de regulação. Uma questão importante em nanotoxicologia é que não existe sequer os protocolos mais adequados para testar as nanopartículas, como pesquisar estruturas, que tipo de técnica ou instrumento se usa para medir as propriedades”, destaca o professor de física da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Peter Schulz.
O acadêmico cita como exemplo o uso de nanopartículas de prata que atuavam como germicidas em aparelhos como ar-condicionado, geladeiras e máquinas de lavar roupas.
Embora as nanopartículas de prata tivessem uma ação higienizadora fantástica, elas também eram eliminadas pelo esgoto e matavam micro-organismos, no meio ambiente, benéficos para o ciclo da vida. Houve uma reação da sociedade civil contra isso e levantou o debate sobre a regulamentação”, explica Peter Schulz.
Ele é autor do livro A Encruzilhada da Nanotecnologia, que chama a atenção para os aspectos revolucionários da área e também às preocupações referentes aos impactos dessas inovações. Além das questões de saúde, tecnologias avançadas podem criar armas mais poderosas, tanto as letais quanto as que não causam morte.
“Quando a tecnologia é inserida em um contexto social também pode trazer preocupações, que não devem impedir a pesquisa, as tentativas de inovações. Mas, de fato, exigem um diálogo melhor e mais intenso com a sociedade”, conclui o professor.
Fonte: Exame

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Práticas ambientalmente corretas têm contribuição da nanotecnologia

Heloisa Cristaldo
Repórter da Agência Brasil

São Carlos (SP) - Plásticos biodegradáveis para uso em sacolinhas, copos descartáveis, embalagens e materiais para a agropecuária. Essas são algumas das funcionalidades da nanotecnologia já identificadas por pesquisadores brasileiros. A tecnologia dispensa o uso do petróleo na produção do plástico e o material degrada-se mais depressa. Enquanto o produto tradicional demora até 400 anos para ser absorvido no meio ambiente, o plástico biodegradável leva 18 semanas, em média.
Estudo liderado pela Embrapa Instrumentação aponta que o bioplástico pode ser misturado ao solo, a restos de alimentos e folhas, tornando-se adubo, princípio utilizado na compostagem. A utilização da nanociência permite que o material seja degradado por bactérias e fungos na água, gás carbônico e materiais biológicos.
O pesquisador da Embrapa, José Manoel Morconcini, explica que o plástico biodegradável pode ser produzido a partir do amido de alimentos como milho, mandioca, trigo e arroz, ou mesmo de materiais convencionais. O que vai definir o produto como biodegradável é a sua capacidade de se decompor no contato com a natureza.
“Os pré-requisitos fundamentais para um plástico biodegradar-se é ter a presença de micro-organismos vivos no ambiente em que ele será descartado, além da temperatura e da umidade adequadas. Nesse processo, fungos e bactérias vão se alimentar do plástico que for biodegradável”, diz Morconcini.
Segundo o pesquisador, o alto valor do plástico biodegradável em relação ao material tradicional é um dos fatores que dificultam a produção. “Ainda é muito caro o plástico biodegradável, comparando com plásticos comerciais que a gente conhece no cotidiano. É um gargalo a gente não ter grandes produções de peças com material biodegradável”, assinala.
Outro fator que distancia o bioplástico do consumidor é a ausência de um órgão que certifique a origem do material. “[É necessário criar] uma rede de institutos que certifique que o plástico é realmente biodegradável e compostável, para que o consumidor tenha segurança no uso desses novos materiais”.
O estudo de plásticos biodegradáveis é feito no Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio, criado com investimentos de mais de R$ 10 milhões e mantido com recursos da Agência Brasileira de Inovação - antiga Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) -, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). As linhas de pesquisa englobam desde nanobiossensores e sensores eletroquímicos para monitorar processos e produtos agropecuários, até nanofilmes comestíveis, produção de fertilizantes, pesticidas e remédios para animais.
Desde 2006, a Embrapa coordena a Rede de Nanotecnologia Aplicada ao Agronegócio, que tem sede na unidade de São Carlos e conta com a participação de 150 pesquisadores, sendo 70 do quadro da Embrapa e 80 de instituições parceiras.
Edição: Marcos Chagas

terça-feira, 23 de julho de 2013

Grenoble : le Premier ministre lance le programme Nano 2017

Environnement, écologie et développement durable en Rhone-AlpesJean-Marc Ayrault, accompagné de trois de ses ministres a lancé le programme de recherche et développement des nanotechnologies porté par le CEA et STMicroelectronics, dans lequel les différents partenaires investiront 3,5 Md€.

Grenoble : le Premier ministre lance le programme Nano 2017Les explications de Jean Therme, directeur de la recherche technologique du CEA au maire de Grenoble et aux ministres sur le site de Minatec [Photo CEA/P.Avavian]
Accueilli en Isère sur les sites de Minatec, à Grenoble et de Microelectronics (STM), à Crolles, le Premier ministre a annoncé la participation de l’Etat à hauteur de 600 M€ au projet Nano 2017. Il s’agit d’un vaste programme de recherche et de développement industriel de 3,5 Md€ porté par la société franco-italienne, par le laboratoire LETI du CEA et par leurs partenaires locaux, visant à réaliser d’ici 2017 un nouveau saut technologique dans la maîtrise et la diffusion des nanotechnologies et demeurer ainsi une référence mondiale de ce secteur très compétitif.
Comme l'a rappelé André Vallini, lors d’une décision que vient de prendre le Conseil général de l’Isère, les collectivités territoriales participeront à hauteur de 100 M€. L’Europe apportera elle 400 M€, mais c’est STM qui contribuera à la plus grosse part : 1,3 Md€.

STMicroeletronics : doublement de la capacité de production et embauches

Pour Carlo Bozotti, président de STM cet investissement devrait permettre à un leader des semi-conducteurs de rester aux premières places de la compétition mondiale des nanotechnologies.
Elles font partie des technologies génériques clés, qui sont intégrées aujourd’hui dans un très large panel d’applications industrielles et grand public, au cœur de grands défis sociétaux, notamment dans l’automobile (sécurité avancée et maitrise de la consommation), dans les technologies de l’information (objets connectés et accroissement des possibilités de stockage), dans la santé (diagnostic médical, traitement ciblé de cellules malades), dans les écotechnologies (détection et neutralisation de micro-organismes par exemple), ou dans les économies d’énergie.
Ce projet prévoit de doubler à terme la capacité de production de l’usine de Crolles (notamment pour la fabrication des wafers1 300 mm) qui permettrait à STM de renouer avec la croissance (entre 5 et 10% prévus) et recruter.

Horizon 2020, une stratégie européenne

Le projet Nano 2017 permettra au pôle Grenoble – Crolles d’être l’un des trois piliers du programme européen de recherche Horizon 2020 annoncé par la Commission européenne, qui vise à organiser une véritable filière européenne de la micro-nano-électronique. Le soutien public à Nano 2017 fera l’objet d’une notification à la Commission européenne et ne sera effectif qu’après l’autorisation de celle-ci.
A l’issue de la visite, Jean-Marc Ayrault a déclaré : « Ce projet de haute technologie traduit un partenariat local absolument exemplaire entre l’Etat, les collectivités locales, le groupe STMicroelectronics, les laboratoires de recherche du CEA et de l’Université de Grenoble, et les nombreuses PME associées. Ce sont plus de 24 000 emplois qui dépendent ainsi localement de cet écosystème grenoblois d’excellence mondiale en matière de nanoélectronique. »

1 Galette de semi-conducteur, silicium, nitrure de gallium, etc.
Fonte: Enviscope

CNPEM mostra pesquisas de quatro laboratórios nacionais

A 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Recife, tem participação expressiva do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

 A programação inclui uma sessão especial com o diretor-geral do centro, Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho, sobre o CNPEM e o Projeto Sirius, o novo acelerador de partículas brasileiro. Considerada um dos maiores projetos da história da ciência brasileira, a nova fonte de luz síncrotron em construção na cidade de Campinas (SP) vai permitir a pesquisa e a caracterização de diversos tipos de materiais em escala atômica.
A iniciativa também será tema de palestra de Antônio José Roque da Silva, diretor do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), no auditório situado da ExpoT&C.

O diretor do Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano), Fernando Galembeck, participa da programação oficial da reunião em dois momentos. Na quarta-feira (25), ele apresenta a palestra ”Lixo ou tesouro”. No dia seguinte, é o apresentador da conferência “Sistemas dinâmicos em química”, de Hamilton Varela, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP). As duas sessões são promovidas pela Sociedade Brasileira de Química (SBQ).

Além das palestras, o CNPEM leva à reunião da SBPC um estande de 25 metros quadrados localizado na ExpoT&C, mostra de ciência, tecnologia e inovação que reúne centenas de expositores, como universidades, institutos de pesquisa, agências de fomento e entidades governamentais.

No local os visitantes podem conhecer um pouco mais sobre a pesquisa desenvolvida no centro nas áreas de energia e materiais, visualizar a estrutura microscópica de diversos materiais e responder a um quiz tecnológico valendo brindes. Um painel permite fotografias dos visitantes em um ambiente que os mostra como cientistas, com um desenho 3D da fachada da nova fonte de luz síncrotron brasileira ao fundo.

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais é uma organização social qualificada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Além do LNNano e do LNLS, é responsável pela gestão dos laboratórios nacionais de Biociências (LNBio) e de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE).
Acompanhe a participação do MCTI na reunião anual da SBPC.

Embrapii aprova projeto de indústria paranaense

Senai em Londrina será parceiro no desenvolvimento de dispositivo para a fiação de seda Bratac, que contará com recursos da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial

Um projeto da Bratac, fiação de seda localizada em Londrina, está entre os primeiros do país que receberão recursos da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii). O projeto, que visa o desenvolvimento de um dispositivo óptico de sensoriamento capaz de medir as faixas de espessura do fio de seda, foi aprovado através do Senai Centro Integrado de Manufatura e Tecnologia (Cimatec), da Bahia, e terá o Senai em Londrina como co-executor.
A Embrapii é um projeto piloto criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em parceria com Confederação Nacional da Indústria (CNI), que tem como principal meta incentivar, principalmente pequenos e médios negócios, a serem mais inovadores. Contando com o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), a Embrapii conta em sua fase inicial de atuação com o a participação de três institutos de pesquisa: Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), atuando nas áreas de bionanotecnologia e microtecnologia; Instituto Nacional de Tecnologia (INT), do Rio de Janeiro, atendendo os setores de energia e saúde; e Senai Cimatec, da Bahia, que atua no segmento de automação e manufatura.
O modelo de operação da Embrapii atua de forma tripartite para a destinação de recursos para os projetos aprovados, sendo 1/3 proveniente da Embrapii, 1/3 da própria empresa atendida e 1/3 do instituto de pesquisa, que oferece aporte não financeiro. Atualmente, já foram aprovados 26 projetos via Embrapii, e outros 184 aguardam a assinatura no termo de parceria, fase anterior à execução.
Parceria – Entre os projetos já aprovados está o da Bratac, que será executado em parceria com o Senai em Londrina. A instituição receberá um aporte de cerca de R$ 1 milhão. A parceria entre o Senai e a empresa começou ainda na década de 1990, através de projetos de consultoria prestados pela unidade de Londrina.
Hélio Mizokoshi, diretor presidente da Bratac, conta que o projeto do dispositivo óptico começou a ser elaborado em 2011. “A Bratac é a única fiação de seda do Brasil e investimos muito em pesquisa, para produzir produtos de alta qualidade de forma competitiva. Somos parceiros do Senai desde os anos de 1990, parceria que sempre contribuiu muito para o desenvolvimento da empresa”, conta.
Mizokoshi ainda revela que a empresa pretende dar prosseguimento à parceria, desenvolvendo novos projetos. “Este projeto que estamos desenvolvendo agora irá mudar de forma significativa nossa forma de atuar no mercado, pois teremos um impacto grandioso no incremento da qualidade de nossos produtos. Temos a intenção de desenvolver outros projetos na área de automação, em parceria com o Senai, para que assim possamos crescer e nos desenvolver ainda mais”, finaliza o diretor.

Nanotechnology in the Fight Against Skin Cancer

By Eileen BaileyHealth Guide

Great things can come in small packages – and this is certainly true in the fight against skin cancer. One company is working on creating a nanotechnology product which would help strengthen sunscreen and anti-aging cosmetics. Other advances in nanotechnology, although still in the research phase, include the use of nanoparticles to deliver targeted chemotherapy.

Nanotechnology is the use of incredibly small particles in different science applications, including medicine.   It is “the ability to see and control individual atoms and molecules.” [1] But exactly how small is a nanometer?  There are 1 billion nanometers in a meter, or, if you would prefer to use a smaller scale – there are 25,400,000 nanometers in an inch. Special microscopes are needed to see atoms and molecules at a nanoscale and up until about 30 years ago, there weren’t any microscopes able to do so. Now that scientists have the ability to see nanoparticles, they are learning how to use this technology to benefit us is many ways.

ProTransit Nanotherapy, L.L.C. is working on nanotechnology that can “deliver a powerful blend of protective antioxidants in topical formulations to protect skin from the sun’s UV radiation.” [2] This would “strengthen things like sunscreen and anti-aging cosmetics.” [3] The company hopes to have the products, which it considers non-toxic and biodegradable, ready within the next 18 months. Once these products are successful, the technology may be able to be carry a wide range of proteins, enzymes and genetic materials that could be customized to deliver targeted treatments for those with cancer and other diseases.

A number of companie are also working on nanotechnology to use in targeted chemotherapy. These are still in the research phase but show promise. The nanoparticles are infused with medications and then can attack the tumor and deliver the medication directly to the tumor. One uses a combination of medication and heat to destroy cancer cells.

Another way nanoparticles are being used to treat cancer cells include a nanoparticle with a radioactive core that attaches to lymphoma tumor cells and stops the cancer from spreading to other areas in the body. Scientists have also discovered a way to use nanoparticles to “starve” a cancer cell, hopefully stopping its growth.

While many of these technologies are still a ways from being used on a daily basis to help cancer patients, there is a large nationwide push to make these technologies part of our health care. The Alliance for Nanotechnology in Cancer helps researchers to collaborate efforts and resolve some of the major challenges of working with nanoparticles. But there is much promise. According to, “It is possible that these efforts will result in cancer becoming nearly eliminated in a decade or so, in the same way that vaccines nearly eliminated smallpox in the last century.” [4]


[4] “Nanotechnology in Cancer Treatment,” Date Unknown, Staff Writer,
[2] [3] “UNMC Nanotechonology Protects Skin From Cancer and Early Wrinkles,” 2013, July 10, Staff Writer, Medical News Today
[1] “What is Nanotechnology?” Date Unknown, Staff Writer, National Nanotechnology Initiative,

Fonte:  Health Centerd

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Governo analisa novos investimentos em nanociência, no segundo semestre

Heloisa Cristaldo
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O governo federal vai reformular o Programa Nacional de Nanotecnologia, criado para incentivar atividades de pesquisa, desenvolvimento de novos produtos e a transferência de tecnologia entre as instituições de pesquisa e empresas.
Previsto para ser lançado na segunda quinzena de agosto, o novo programa priorizará a pesquisa em nanociência para sensores, dispositivos e materiais e compósitos, que são produtos nos quais dois ou mais elementos são combinados em uma estrutura para obter vantagens e melhorias que nenhum deles poderia fornecer isoladamente. Isso será feito a partir dos 26 laboratórios que compõe o Sistema Nacional de Laboratório em Nanotecnologia (SisNano).
O dinheiro que será aplicado no programa ainda está em análise pelo governo. Em 2013, já estão sendo investidos R$ 38,9 milhões diretamente nos laboratórios, além do aporte de R$ 9 milhões para que esses grupos de pesquisa incorporem a rede Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec). Para 2014, estão previstos R$ 20 milhões para o setor.
Em inovação, área que engloba a nanotecnologia, as cifras alcançam valores muito maiores. De janeiro a maio, o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) investiu R$ 1,5 bilhão, por meio do Programa de Sustentação do Investimento.
Segundo o coordenador-geral de Micro e Nanotecnologias do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Flávio Plentz, os laboratórios que fazem parte do SisNano receberão recursos para operar de maneira “aberta ao uso”, tanto por pesquisadores ou grupo de pesquisas quanto por empresas.
Vai modificar muito o ambiente da nanotecnologia no Brasil. Porque, agora, eles [os laboratórios] vão estar à disposição para desenvolvimento e vão ter o compromisso de ser laboratórios abertos onde as pessoas poderão entrar, contratar desenvolvimento ou colocar as suas equipes ou os seus pesquisadores lá dentro fazendo o desenvolvimento”, disse à Agência Brasil.
Flávio Plentz destacou que o foco no desenvolvimento dos laboratórios é, atualmente, a etapa mais importante na área de nanotecnologia para que o país possa ter estrutura de competir internacionalmente na pesquisa científica.
“O que a gente vai fazer com esse programa é elevar para outro degrau de investimento, para fazer o que é objetivo agora: pegar todo esse conhecimento em nanotecnologia e essas tecnologias que já estão desenvolvidas e levar para a indústria, para o mercado”, explicou Plentz. Ele acrescentou que “essa etapa de pegar o conhecimento da tecnologia e transformar em produto e negócio não é trivial, é complicada no Brasil e no mundo inteiro”.
A nanociência é capaz de manipular, sintetizar ou modificar a matéria em uma escala de tamanho de nanômetro, que é 1 bilionésimo do metro. Tudo que se faz em termos de modificação, manipulação ou síntese de materiais nessa escala é considerado nanotecnologia.
“Qualquer produto eletrônico está cheio de nanotecnologia. A tela touch screen, o processador do celular e dos computadores são hoje todos frutos de nanotecnologia. O tamanho e os transistores [dos computadores] também. Basicamente todos esses produtos que chamamos de alta tecnologia têm nanotecnologias incorporadas neles”, disse Plentz.

Nanotecnologia: o uso de partículas miniaturizadas no cotidiano do cidadão

Heloisa Cristaldo
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Cientistas norte-americanos embarcam em um submarino miniaturizado e injetado no corpo de Jan Benes, um colega de trabalho em coma. A equipe médica tem apenas uma hora para chegar ao cérebro e drenar o coágulo. Após isso, o submarino minúsculo vai começar a voltar ao tamanho normal, podendo ser detectado pelo sistema imunológico de Benes e possivelmente destruído. A delicada operação pode salvar a vida do cientista, que descobriu uma tecnologia de última geração antes do seu problema de saúde.
O roteiro descreve um filme de ficção cientifica de 1966, Viagem Fantástica, que já anunciava princípios atuais da nanotecnologia. Ainda não é possível miniaturizar uma pessoa, como aconteceu no filme, mas a tecnologia de percorrer o corpo humano por meio de uma cápsula é possível quase 50 anos após estreia do filme. Atualmente, uma microcâmera filmadora com luz e bateria de dez horas de duração pode percorrer todo o sistema digestivo – esôfago, estômago e intestino -  e identificar problemas não reconhecidos por meio dos exames convencionais, como a endoscopia.  
A nanotecnologia refere-se ao bilionésimo do metro e costuma ser comparada com o tamanho de um átomo ou de uma bola de gude diante do planeta Terra. Com seu conhecimento em várias áreas da ciência, é possível produzir medicamentos mais eficazes e com menos efeitos colaterais, materiais mais resistentes, computadores com maior capacidade de armazenamento.
“A gente pode dizer que está rodeado de nanotecnologia sem se dar conta disso. De fato, o revolucionário não surge na redução de tamanho [dos equipamentos] ou no aumento da velocidade.  Mas a miniaturização possibilita aplicações que a gente nem imagina”, explica o professor de física da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Peter Schulz.
Segundo o coordenador de micro e nanotecnologias do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Flávio Plentz, a nanotecnologia envolve todos os setores econômicos e é capaz de manipular, sintetizar ou modificar a matéria. No entanto, destaca que, para carregar o nome nano, o conhecimento precisa gerar uma inovação.
Tudo que se faz em termos de modificação, manipulação ou síntese de materiais nessa escala, a gente considera nanotecnologia. Para ser nanotecnologia aquilo que foi feito ou produzido nessa escala de tamanho tem que gerar, necessariamente, uma nova propriedade ou função para aquele material”, diz o coordenador do ministério.
O físico Peter Schulz ressalta a necessidade de inovação e critica o uso da nanotecnologia apenas para atrair a atenção. “Nos últimos anos houve um movimento de patentear produtos com o nome nano. Quando iam investigar [esses produtos], não tinham nada de nanotecnologia. Estavam só surfando na onda do nome. É uma situação ainda de ajustes e vai ser assim por um bom tempo”, destacou o físico.

A indústria cinematográfica também aproveitou o conceito de nanotecnologia em 2013. O filme Homem de Ferro 3, com ator Robert Downey Jr. trouxe às telas de cinema a história do cientista e industrial que desenvolve uma armadura de ferro com capacidade de voar.
No filme, é aplicada uma substância no herói que desenvolve habilidades super-humanas. O produto copia o sistema operacional do organismo, com o uso da nanotecnologia, para curar ferimentos e até regenerar partes do corpo. A ficção ainda está distante da realidade, mas suscita o debate dos efeitos colaterais. Como o corpo humano reage a tais inovações? A área ainda não é regulamentada.
Durante a semana, a Agência Brasil publicará uma série de reportagens sobre a nanotecnologia e sua aplicação no dia a dia do cidadão, em diversas áreas. Sem saber, as pessoas convivem praticamente durante todo o tempo com inovações que utilizam essa tecnologia. Entre elas, cosméticos, medicamentos em forma de adesivos aplicados diretamente na corrente sanguínea, pasta de dente e pneus.
Clique aqui e amplie seu conhecimento
Edição: Marcos Chagas

sábado, 20 de julho de 2013

Quatre ministres en Isère pour le développement des nanotechnologies

Environnement, écologie et développement durable en Rhone-AlpesPas moins de quatre ministres seront à Grenoble ce lundi 22 juillet pour lancer le programme de recherche et de développement Nano 2017. Le Premier ministre sera accompagné d’Arnaud Montebourg, ministre du Redressement productif, de Geneviève Fioraso, ministre de l’Enseignement Supérieur et de la Recherche, et de Fleur Pellerin, ministre déléguée aux PME, à l’Innovation et à l’Economie numérique.

L’Isère s’est faite la championne dans la recherche sur les nanotechnologies, avec la création en 2002 de Minatec. C’est ce que rappelle André Vallini, président du Conseil général de l’Isère, pour qui les investissements réalisés « ont généré un retour sur investissement rapide (700 M€ par an, à comparer à une aide publique d'environ 1 milliard d'euros en 10 ans). Ils ont permis à la France de développer un secteur stratégique en permettant l'accession de STMicroelectronics  au cercle des 5 compagnies mondiales disposant d’une capacité de technologie et de production des composants de pointe. »
C’est à Minatec, dans l’enceinte du CEA à Grenoble, dans une salle blanche, que commencera lundi après-midi la visite ministérielle, puis les quatre ministres se rendront dans une autre salle blanche à Crolles chez STMicroelectronics, où le leader des semi-conducteurs fera démonstration de son savoir-faire. La technologie SOI (silicium sur isolant) développée avec Minatec dans le programme Nano 2012 est une alternative très intéressante au silicium brut dans la réalisation de transistors opérant à de hautes fréquences.

3,5 Md€ d’investissements pour rester dans la course mondiale

Nano 2017 permettra de franchir le saut technologique nécessaire aux industriels pour rester compétitifs et représentera un investissement considérable de 3,5 milliards d'euros sur cinq ans. Il impliquera directement STMicroelectronics et le CEA. Pour permettre la réalisation d’un projet aussi capital pour l'avenir de l'Isère et pour l'emploi, le président du Conseil général est intervenu ces derniers trois mois à plusieurs reprises. « Au stade actuel des échanges, explique André Vallini ce projet pourrait bénéficier d'un financement de l'Europe à hauteur de 400 M€ et d'un financement de l'Etat sollicité à hauteur de 600 M€. » Les collectivités territoriales (Région, Département, collectivités locales) seraient sollicitées à hauteur de 100 M€.
Le Conseil général de l’Isère vient d’adopter une résolution pour valider le financement de l’opération et mandater André Vallini pour négocier la répartition des financements des collectivités territoriales.

Fonte: Enviscope